Nem há provas, nem as haverá

Este domingo, aproveitando que os meninos marcharam cedo, fiz algo que levava tempo sem fazer: meter-me no corpo uma sesao dupla de cine. Os filmes escollidos forom Scoop de Woody Allen, e GAL de Miguel Courtois, nesta orde.

Woody Allen é um director que acostuma a agasalhar-nos tudos os anos uma película. Como acontece com Ken Loach, acodir a ve-la é como o prazer de se reencontar cum velho amigo. Nesta ocasao Allen volve trabalhar com Scarlett Johannson, uma grande actriz e provavelmente a mais explosiva do planeta neste momento. Allen disfarça a sua beleça tras uns óculos e umas roupas que fam-na parecer um chisco mais gorda do que em realidade é, mas nas cenas de cama, quando Johannson pousa os óculos na mesinha-de-noite, é impossível evitar que a sensualidade felina desta mulher invada o ecrá cuma brutalidade dificil de descreber com palavras. Allen regala-nos uma cena com Scarlett em traje de banho ao comezo da película, e já contra o final da mesma, um outro plano dela saindo do lago completamente molhada e coa roupa pegada ao corpo que corta o impo. Os varoes heterosexuais com problemas cardiacos deveram evitar olhar esta última cena.

 (Mais)